Instituto de Saúde de Nova Friburgo

Nota oficial da UFF à comunidade sobre corte de verbas do orçamento

Escrito por jornalismo

As Instituições Federais de Ensino Superior receberam pela imprensa a informação de que haveria novo bloqueio de verbas do orçamento discricionário de 2019. Os contingenciamentos não foram uniformes e três universidades sofreram mais: Universidade Federal Fluminense, Universidade de Brasília e Universidade Federal da Bahia. A UFF ainda não foi comunicada oficialmente da decisão do Ministério da Educação, mas foi constatado o bloqueio de 30% dos recursos disponíveis para manutenção das atividades, como bolsas e auxílios a estudantes, energia, água, luz, obras de manutenção, pagamento de serviços terceirizados de limpeza, segurança, entre outros. Se confirmada, esta medida produzirá consequências graves para o pleno funcionamento da Universidade.

A UFF é hoje uma das maiores, mais diversificadas e pujantes universidades do país, prezando pela excelência em todas as áreas do conhecimento. A qualidade da UFF é atestada pela pontuação máxima (5) no conceito institucional de avaliação do MEC e temos o maior número de alunos matriculados na graduação entre todas as universidades federais. Além disso, a UFF é a 16ª colocada no ranking RUF, entre quase 200 universidades.

Nossa universidade exerce com responsabilidade a proteção do patrimônio público e das pessoas, defendendo com firmeza o princípio constitucional da livre manifestação do pensamento, com tolerância e respeito à diversidade e à pluralidade.

Faremos todo o esforço institucional ao nosso alcance para demonstrar ao Ministério da Educação a necessidade de reversão dos cortes anunciados.

UFF Nova Friburgo inicia série de cirurgias gengivais gratuitas a partir desta segunda-feira (29/04)

Dentistas já formados farão até oito procedimentos por dia nas clínicas da unidade, das 18h30min às 21h

O Instituto de Saúde de Nova Friburgo (ISNF), unidade de ensino superior da Universidade Federal Fluminense (UFF), inicia – a partir desta segunda-feira (29/04) – uma série de cirurgias gratuitas em pessoas com problemas gengivais. Os procedimentos serão realizados por dentistas já formados.

Estão previstas até oito cirurgias por dia, como correção de excesso de gengiva ao sorrir, aumento da coroa clínica, inserção gengival para pacientes com raízes expostas, freio labial e procedimentos que devem ser realizados antes do uso de aparelhos ortodônticos. Os interessados devem procurar as clínicas de Odontologia da unidade, das 18h30min às 21h, portando carteira de identidade, radiografias e exames de sangue recentes. 

“Pessoas que apresentem sangramentos durante a escovação dos dentes também podem nos procurar. São cirurgias que vão desde procedimentos estéticos até aqueles com finalidade funcional”, esclarece Alessandra Areas, professora responsável pelo projeto .

Os pacientes deste projeto que apresentarem outros problemas serão encaminhados para a recepção das clínicas odontológicas, para seguirem o fluxo normal de atendimento, com agendamento prévio.O Instituto de Saúde de Nova Friburgo está localizado na Rua Doutor Silvio Henrique Braune, 22, centro – Nova Friburgo – RJ.

Abertura de editais da Agência de Inovação – AGIR / UFF

1- Registro de Experiências de Tecnologia Social 2019 

2- PIBINOVA / PIBITI 2019-2020http://www.editais.uff.br/órgão/agir

Sustenta-Vida lança nova plataforma

SV Clube

O Programa de Extensão Sustenta-Vida lançou o ‘Sustenta-Vida Clube’ (SVC), uma plataforma permanente em que o usuário cadastrado pode assistir a palestras ao vivo, consultar especialistas, participar de fóruns de discussões específicos, acessar acervo de vídeos sobre Neurociências, fotografias e audiovisuais. 
O SVC oferece ainda acesso a materiais de leitura, vagas exclusivas em eventos, sugestões de atividades educacionais, concursos e sorteios. Além disso, os cadastrados podem compartilhar os próprios materiais, para divulgar ideias e conhecimentos.
Outras informações no site www.sustenta-vida.com.

UFF é manchete do Jornal A Voz da Serra desta terça-feira (9/4)

pag01ter .indd
pag03ter.indd

Pesquisadora da UFF é entrevistada nos estúdios da TV Zoom

TV Cidade entrevista pesquisadora da UFF

UFF Nova Friburgo oferece cirurgias gratuitas para pessoas com problemas gengivais

Interessados devem procurar a clínica de Odontologia da unidade a partir do dia 29 de abril



O Instituto de Saúde de Nova Friburgo (ISNF), unidade de ensino superior da Universidade Federal Fluminense (UFF), oferece cirurgias gratuitas para pessoas com problemas periodontais, como excesso de gengiva ao sorrir, freio labial e correções que devem ser realizadas antes do uso de aparelhos ortodônticos.

Os interessados devem procurar a clínica de Odontologia da unidade a partir do dia 29 de abril, das 18h30min às 21h, portando carteira de identidade, radiografias e exames de sangue recentes. Em casos específicos, haverá encaminhamento do paciente para outros tratamentos dentro da própria UFF.

“Pessoas que precisam fazer alguma correção gengival ou que apresentem sangramentos durante a escovação dos dentes também podem nos procurar. Se identificarmos qualquer outro problema na gengiva, vamos encaminhar o paciente para a nossa clínica de Periodontia. Tudo de forma inteiramente gratuita”, destaca Alessandra Areas, professora responsável pelo projeto.O Instituto de Saúde de Nova Friburgo está localizado na Rua Doutor Silvio Henrique Braune, 22, centro – Nova Friburgo – RJ.  

Dia Mundial da Voz. Participe!

Pesquisadores da UFF de Nova Friburgo descobrem quatro agrotóxicos que promovem o acúmulo de gordura nas células animais

Já foram identificadas substâncias utilizadas por produtores em plantações de banana, abacaxi, arroz, feijão e até café. Outros seis agrotóxicos ainda vão ser analisados

A professora Flora Milton (sentada), os alunos Felipe Demani, Kathlen e Beatriz, e o professor Leonardo Mendonça (ao fundo) no Laboratório Multiusuário de Cultivo de Células e Tecidos Animais

Pesquisadores do Instituto de Saúde de Nova Friburgo (ISNF), unidade de ensino superior da Universidade Federal Fluminense (UFF), descobriram que os agrotóxicos Ametrina, Abamectina, Carbosulfano e Óxido de Fembutatina promovem o acúmulo de gorduras em células animais. As quatro substâncias pesquisadas são utilizadas, com frequência, em plantações de frutas, leguminosas, grãos e hortaliças. Os agrotóxicos Acefato, Benalaxil, Bitertanol, Metamitron, Metomil e Tiram ainda serão analisados pelos cientistas do ISNF.

Além do acúmulo de gorduras, a pesquisa tem o objetivo de identificar se os agrotóxicos utilizados no Brasil também induzem ao desenvolvimento de diabetes. O estudo foi dividido em duas etapas: análises em células animais – fase atual – e testes em camundongos, que ainda serão realizados.

A pesquisa é gerenciada pelos professores Leonardo Mendonça, coordenador do Curso de Graduação em Biomedicina do ISNF, e Flora Milton, coordenadora do Laboratório Multiusuário de Cultivo de Células e Tecidos animais (LMCT), em parceria com a Universidade de Brasília (UNB). De acordo com os responsáveis, a descoberta é fundamental para o estudo da obesidade e diabetes.

A aluna Beatriz Peres de Araújo durante análise no laboratório do ISNF, onde foi realizado estudos sobre agrotóxicos

“O fato de o Brasil ser o maior consumidor de agrotóxicos no mundo foi fundamental na nossa escolha do objeto. Ainda tem muita coisa a ser analisada, mas uma coisa já é certa e nós provamos: esses agrotóxicos acumulam gordura nas células animais, o que pode contribuir para o desenvolvimento de obesidade e de diabetes. Nossos resultados devem ser considerados na hora de se regulamentar novos produtos, para que possamos, enfim, argumentar através de estudos e provas que esses produtos fazem mal à saúde”, alerta Flora.

Em humanos

Flora esclarece, no entanto, que a descoberta não pode ser motivo de alarde, porque a pesquisa precisa considerar outros fatores relacionados aos seres humanos.

Praticidade e modernidade: células analisadas diretamente na tela

“Nós testamos em células de camundongos. Os estudos precisam avançar para que possamos afirmar alguma coisa em relação aos humanos. Não vai ser o consumo de uma única banana ou de um prato de arroz com feijão que vai provocar obesidade ou diabetes nas pessoas. Até porque essas doenças são ditas multifatoriais, ou seja, possuem diversas causas. No entanto, a descoberta é um grande passo para entendermos essas enfermidades”, garante a cientista.

As utilizações

– Ametrina

Herbicida utilizado nas culturas de abacaxi, algodão, banana, café, citros, cana-de-açúcar, mandioca, milho e uva.

– Abamectina

Pertence às classes acaricida e inseticida. Usado nas culturas de algodão, alho, batata, cana-de-açucar, café, cenoura, cebola, citrus, côco, ervilha, feijão, figo, maçã, mamão, manga, melancia, melão, milho, morango, pepino, pera, pêssego, pimentão, soja, tomate e uva

– Carbosulfano

Pertencente às classes acaricida, inseticida e nematicida. Utilizado nas culturas de algodão, arroz, cana-de-açúcar, feijão, fumo, milho e soja.

Óxido de Fembutatina

Classe acaricida usado em cultura de citros.

UFF oferece curso de cirurgia periodontal

Profissionais e estudantes podem fazer inscrições até o dia 15 de abril

Interessados devem ficar atentos ao prazo das inscrições

O Instituto de Saúde de Nova Friburgo (ISNF), unidade de ensino superior da Universidade Federal Fluminense (UFF), oferece – em parceria com a Fundação Euclides da Cunha (FEC) – o curso de ‘Atualização em Cirurgia Periodontal’.

Profissionais e estudantes de Odontologia podem fazer a inscrição até o dia 15 de abril, enviando e-mail para lecareas@gmail.com. As aulas ocorrem até julho de 2019, sempre às segundas-feiras, das 18h às 21h. A mensalidade é de R$600.

A partir de 29 de abril, o curso inclui atendimento direto a pacientes com problemas gengivais nas clínicas do ISNF, que está localizado na Rua Doutor Silvio Henrique Braune, 22, centro – Nova Friburgo – RJ.

Exame: ‘MEC é alvo do maior corte no Orçamento; Vice-Presidência foi poupada’

Defesa teve segundo maior corte de despesas, perdendo R$ 5 bilhões; decreto foi publicado no DOU nesta sexta

Por Estadão Conteúdoaccess_time29 mar 2019, 17h28 – Publicado em 29 mar 2019, 17h13

Brasília – Dona do maior orçamento dentre todos os ministérios, a Educação também foi a maior vítima da tesourada de recursos para este ano, conforme decreto publicado nesta sexta-feira, 29, em edição extra do Diário Oficial da União que contingenciou R$ 29,582 bilhões do Orçamento Federal de 2019. Conforme o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, adiantou nesta semana, as despesas necessárias para o cumprimento do piso constitucional para a área, no entanto, foram preservadas.

Enquanto o MEC segue envolvido em polêmicas no primeiro escalão da pasta, os recursos para a Educação foram reduzidos em R$ 5,839 bilhões para este ano. O total em despesas discricionárias previsto originalmente para área na Lei de Orçamentária Anual (LOA) de 2019 era de R$ 23,699 bilhões, e passou agora para R$ 17,793 bilhões.

O corte nos recursos da Educação só foi possível porque o Orçamento deste ano previa um volume de recursos maior que o piso constitucional para a área. Essa conta não considera ainda R$ 1,036 bilhão em despesas de instituições federais de ensino que ficaram blindadas porque são bancadas com receitas próprias ou dinheiro de convênios ou doações. Esses recursos não são contingenciáveis, segundo as regras previstas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Mesmo fortalecido no governo Jair Bolsonaro, Ministério da Defesa foi alvo do segundo maior corte de despesas, perdendo R$ 5,107 bilhões do orçamento deste ano. O total de recursos para as Forças Armadas em 2019 caiu de R$ 13,227 bilhões para R$ 8,119 bilhões.

Na sequência, os maiores contingenciamentos atingiram as pastas ligadas a investimentos. O Ministério da Infraestrutura perdeu R$ 4,302 bilhões (ficando com R$ 6,600 bilhões) e o Ministério de Minas e Energia perdeu R$ 3,768 bilhões (restando apenas R$ 969 milhões).

O decreto mostra que “superministério” da Economia de Paulo Guedes cortou na própria carne. A redução de recursos para a pasta que reuniu Fazenda, Planejamento, Trabalho e Indústria e Comércio Exterior chegou a R$ 3,638 bilhões – o quinto maior bloqueio da Esplanada dos Ministérios.

Outros cortes bilionários também atingiram os ministérios do Desenvolvimento Regional (-R$2,982 bilhões), Ciência e Tecnologia (-R$ 2,132 bilhões) e Cidadania (-R$ 1,050 bilhão).

Embora tenha um dos maiores orçamentos dentre as pastas, a Saúde teve um contingenciamento de R$ 599,9 milhões, preservando R$ 19,446 bilhões em despesas para este ano.Veja também

A única unidade orçamentária do executivo federal que escapou do corte foi a Vice-Presidência da República. O vice-presidente Hamilton Mourão não teve nenhum centavo bloqueado, mas também controla a menor carteira do governo, com apenas R$ 7,6 milhões orçados para 2019. Para comparação, mesmo com o corte de R$ 147 milhões, Jair Bolsonaro ainda terá R$ 572 milhões para gastar em seu gabinete na Presidência da República neste ano.

Vale lembrar que, apesar do corte de R$ 29,582 bilhões, o governo manteve R$ 5,372 bilhões separados em uma reserva de contingência, que serve para suprir demandas emergenciais de ministérios. Essa reserva permite que o Executivo libere aos poucos limites adicionais para órgãos que necessitem do dinheiro, evitando novos apertos em outros ministérios para cobrir esses pedidos.

Fonte:
https://exame.abril.com.br/economia/maior-corte-no-orcamento-atingiu-a-educacao-vice-presidencia-foi-poupada/

Copyright 2019 - STI - Todos os direitos reservados